PT
BR
Pesquisar
Definições



saca

A forma sacapode ser [segunda pessoa singular do imperativo de sacarsacar], [terceira pessoa singular do presente do indicativo de sacarsacar] ou [nome feminino].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
saca1saca1
( sa·ca

sa·ca

)
Imagem

Saco grande, largo e comprido (ex.: encheram várias sacas de batatas).


nome feminino

1. Saco grande, largo e comprido (ex.: encheram várias sacas de batatas).Imagem

2. Saco de alças (ex.: esqueceu a saca com as garrafas no carro). = BOLSA

3. Conteúdo de qualquer um desses sacos.

etimologiaOrigem etimológica:alteração de saco.
Colectivo:Coletivo:Coletivo:sacaria.
saca2saca2
( sa·ca

sa·ca

)


nome feminino

1. Acção de sacar.

2. Extracção.

3. Movimento da onda avançando sobre a praia (opõe-se a ressaca).

4. [Antigo] [Antigo] Licença para exportar. = SAÍDA

etimologiaOrigem etimológica:derivação regressiva de sacar.
saca3saca3
( sa·ca

sa·ca

)


nome feminino

[Zoologia] [Zoologia] Gato selvagem de Madagáscar.

etimologiaOrigem etimológica:do malgaxe.
sacarsacar
( sa·car

sa·car

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo transitivo

1. Tirar à força ou com violência. = ARRANCAR, EXTRAIR, PUXAR

2. Tirar de dentro para fora, geralmente de forma rápida; fazer sair (ex.: sacou a pistola; não conseguiu sacar da arma). = PUXAR

3. Conseguir alguma coisa com esforço ou dificuldade (ex.: sacar informação). = COLHER, OBTER, TIRAR

4. Tirar ou conseguir algo para benefício próprio, geralmente contra a vontade de alguém. = AUFERIR, LUCRAR

5. Fazer levantamento de dinheiro (ex.: sacar um cheque; foi à máquina para sacar dinheiro).

6. [Economia] [Economia] Passar uma letra de câmbio ou emitir um título de crédito sobre uma pessoa ou entidade.

7. [Portugal, Informal] [Portugal, Informal] [Informática] [Informática] Transferir para um computador (ex.: sacar um programa).

8. [Portugal, Informal] [Portugal, Informal] Fazer conquista amorosa ou sexual. = ENGATAR

9. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Alcançar ou conceber com a inteligência (ex.: não precisa de explicar mais, já saquei tudo; sacou uma solução genial). = COMPREENDER, ENTENDER, PERCEBER

10. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Aperceber-se pelos sentidos (ex.: sacou logo que estava a ser observado).


verbo intransitivo

11. [Brasil] [Brasil] Emitir opinião ou sugestão; dar palpite. = PALPITAR

12. [Brasil] [Brasil] Dizer o que não é verdade. = MENTIR

13. [Brasil] [Brasil] [Desporto] [Esporte] Colocar a bola em jogo, lançando-a por cima da rede para o campo do adversário em jogos como o ténis ou o voleibol. = SERVIR


verbo pronominal

14. Conseguir evitar determinada situação. = ESCAPAR, ESQUIVAR-SE, LIVRAR-SE, SAFAR-SE

etimologiaOrigem etimológica:talvez do gótico sakan, pleitear.

Auxiliares de tradução

Traduzir "saca" para: Espanhol Francês Inglês

Anagramas



Dúvidas linguísticas



Na frase "...o nariz afilado do Sabino. (...) Fareja, fareja, hesita..." (Miguel Torga - conto "Fronteira") em que Sabino é um homem e não um animal, deve considerar-se que figura de estilo? Não é personificação, será animismo? No mesmo conto encontrei a expressão "em seco e peco". O que quer dizer?
Relativamente à primeira dúvida, se retomarmos o contexto dos extractos que refere do conto “Fronteira” (Miguel Torga, Novos Contos da Montanha, 7ª ed., Coimbra: ed. de autor, s. d., pp. 25-36), verificamos que é o próprio Sabino que fareja. Estamos assim perante uma animalização, isto é, perante a atribuição de um verbo usualmente associado a um sujeito animal (farejar) a uma pessoa (Sabino). Este recurso é muito utilizado por Miguel Torga neste conto para transmitir o instinto de sobrevivência, quase animal, comum às gentes de Fronteira, maioritariamente contrabandistas, como se pode ver por outras instâncias de animalização: “vão deslizando da toca” (op. cit., p. 25), “E aquelas casas na extrema pureza de uma toca humana” (op. cit., p. 29), “a sua ladradela de mastim zeloso” (op. cit., p. 30), “instinto de castro-laboreiro” (op. cit., p. 31), “o seu ouvido de cão da noite” (op. cit., p. 33).

Quanto à segunda dúvida, mais uma vez é preciso retomar o contexto: “Já com Isabel fechada na pobreza da tarimba, esperou ainda o milagre de a sua obstinação acabar em tecidos, em seco e peco contrabando posto a nu” (op. cit. p.35). Trata-se de uma coocorrência privilegiada, resultante de um jogo estilístico fonético (a par do que acontece com velho e relho), que corresponde a uma dupla adjectivação pré-nominal, em que o adjectivo seco e o adjectivo peco qualificam o substantivo contrabando, como se verifica pela seguinte inversão: em contrabando seco e peco posto a nu. O que se pretende dizer é que o contrabando, composto de tecidos, seria murcho e enfezado.




Há derivação da palavra sazonal para sazonalidade?
A palavra sazonalidade é composta por derivação, através da adjunção do sufixo -idade ao adjectivo sazonal.