PT
BR
Pesquisar
Definições



logo-

A forma logo-pode ser[advérbio], [conjunção], [elemento de composição] ou [nome masculino].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
logo1logo1
|ó| |ó|
( lo·go

lo·go

)


advérbio

1. Dentro de pouco tempo; sem demora. = IMEDIATAMENTE

2. Muito próximo no tempo ou no espaço (ex.: eles chegaram logo depois de vocês terem saído; o carro logo atrás do nosso foi abalroado). = IMEDIATAMENTE


conjunção

3. Portanto; por conseguinte.


nome masculino

4. [Antigo] [Antigo] Lugar.

5. [Antigo] [Antigo] [Direito] [Direito] Morada de colono ou enfiteuta que não pode ser alienada e que é devolvida ao senhorio após morte do colono sem este deixar filhos.


Sem demora.

A partir do início.

Usa-se para indicar uma sequência imediata de acções ou situações (ex.: começou a chover logo que saíram de casa). = APENAS, ASSIM QUE, MAL

Depois; mais tarde.

Sem demora.

etimologiaOrigem etimológica:latim locus, -i, lugar.
logo2logo2
( lo·go

lo·go

)


nome masculino

Conjunto formado por letras e/ou imagens, com design que identifica, representa ou simboliza uma entidade, uma marca, um produto, um serviço, etc. = LOGÓTIPO

etimologiaOrigem etimológica:redução de logótipo.
logo-logo-


elemento de composição

Exprime a noção de palavra (ex.: logofobia).

etimologiaOrigem etimológica:grego lógos, -ou, palavra, discurso, linguagem, estudo, teoria.
-logo-logo


elemento de composição

Elemento átono que exprime a noção de estudioso ou especialista (ex.: politólogo; primatólogo).

etimologiaOrigem etimológica:grego lógos, -ou, palavra, discurso, linguagem, estudo, teoria.

Auxiliares de tradução

Traduzir "logo-" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Pode-se utilizar a palavra exigencial? Ex.: selecção exigencial de componentes.
Apesar de o adjectivo exigencial não se encontrar registado em nenhum dos dicionários e vocabulários de língua portuguesa à nossa disposição, ele encontra-se bem formado a partir da aposição do sufixo -al ao substantivo exigência, pelo que o seu uso é possível e até muito frequente, como o revelam pesquisas em corpora e em motores de busca da Internet, especialmente em contextos relativos às áreas da construção e da engenharia civil, com o significado “que é relativo a ou que envolve uma exigência” (ex.: fizeram uma selecção exigencial dos novos materiais).



Estou com algumas dúvidas em relação à Língua Portuguesa:
1) É correto utilizar nos textos o sinal de pontuação ?! ou ?! ? Já vi em alguns textos, mas não sei se é correta essa utilização. Costumo às vezes utilizar, mas até hoje não sei se é correto ou não.
2) Não entendo muito bem a utilização do travessão em alguns casos. Exemplo (temos um diálogo que vem seguido da fala do narrador, e em seguida o personagem retoma a fala como no exemplo abaixo): - José venha aqui. - falou Pedro (finaliza a fala do personagem) -Vou te prender. (E este travessão?) O que vocês podem me informar sobre essa utilização de pontuação? (Travessão). Li a respeito que o segundo travessão apresentado estaria finalizando a fala do personagem, mas ao mesmo tempo como assim finalizando, se logo em seguida existe outro travessão? Não consigo compreender.
O ponto de interrogação (?) é utilizado para indicar na escrita uma pergunta directa (ex.: Vais demorar?). O ponto de exclamação (!) é utilizado para indicar na escrita um estado emotivo ou uma interjeição (ex.: Que demora!). A utilização conjunta destes dois sinais (?! ou !?) é frequente quando se pretende combinar estas duas funções e não há nada que desaconselhe a sua utilização para transmitir simultaneamente uma pergunta directa e um estado emotivo particular (ex.: Não acredito; ainda vais demorar?!).

O travessão é um sinal de pontuação usado, entre outras coisas, para introduzir uma mudança de discurso (normalmente para introduzir o discurso directo) ou de locutor. Desta forma, na frase apresentada (– José, venha aqui. – falou Pedro. – Vou te prender.), o primeiro travessão introduz o discurso directo, o segundo indica o fim do discurso directo, mostrando que o que se segue é uma indicação do narrador e já não da personagem, e o terceiro indica a retoma do discurso directo, indicando nova fala da mesma personagem.