PT
BR
Pesquisar
Definições



a

Será que queria dizer à?

A forma apode ser [feminino singular de oo], [abreviatura], [adjectivo de dois génerosadjetivo de dois géneros], [artigo definido], [nome masculino], [prefixo], [preposição], [pronome demonstrativo], [pronome pessoal feminino] ou [símbolo].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
a-1a-1


prefixo

Exprime as noções de adjunção, aproximação, passagem a um estado, mudança (ex.: acima; alocar; aportuguesar).

etimologiaOrigem etimológica:latim ad, a, para, até.
a1a1
|á| |á|


nome masculino

1. Primeira letra do alfabeto português.


adjectivo de dois génerosadjetivo de dois géneros

2. Primeiro, numa série indicada por letras.


abreviatura

3. Abreviatura de autor.


símbolo

4. Símbolo do ampere. (Com maiúscula.)

vistoPlural: ás ou aa.
iconPlural: ás ou aa.
a2a2
|â| |â|


artigo definido

1. Flexão feminina de o.


pronome pessoal feminino

2. Forma do pronome pessoal ela.


pronome demonstrativo

3. Aquela, essa.


preposição

4. Exprime várias relações, entre as quais movimento, extensão, meio, semelhança, preço, lugar, matéria, fim, tempo, quantidade, maneira de acção, objecto de referência, hipótese.

a-2a-2


prefixo

Exprime as noções de afastamento, privação, negação (ex.: acanónico; amoral; apétalo; assintomático).

etimologiaOrigem etimológica:prefixo grego de negação a- ou an-.
a-3a-3


prefixo

Elemento protético que não acrescenta significado ou que exprime simples reforço (ex.: alagoa; alevantar; atambor; ateimar).

etimologiaOrigem etimológica:prefixo grego protético a-.
o1o1
|ó| |ó|


nome masculino

1. Décima quarta letra do alfabeto da língua portuguesa (ou décima quinta, se incluídos o K, W e Y). [É aberto como em avó, fechado como em avô, átono ou mudo como em mudo, e tem o valor de u em o [artigo], etc.]

2. [Por extensão] [Por extensão] Círculo, anel, elo, redondo.

3. Usa-se em forma de expoente de um número para indicar que se trata de um numeral ordinal (ex.: ficou em 11.º) e por vezes é usado em vez do símbolo ° para simbolizar grau ou graus.


adjectivo de dois génerosadjetivo de dois géneros

4. Décimo quarto, numa série indicada por letras (ou décimo quinto, se incluídos o K, W e Y).


símbolo

5. Símbolo de oeste.

6. [Química] [Química] Símbolo químico do oxigénio. (Com maiúscula.)

vistoPlural: ós ou oo.
etimologiaOrigem etimológica:latim o.
iconPlural: ós ou oo.
o2o2
|u| |u|


artigo definido masculino singular

1. Quando junto de um nome que determina.


pronome pessoal

2. Esse homem.

3. Essa coisa.


pronome demonstrativo

4. Aquilo.

etimologiaOrigem etimológica:latim ille, illa, illud, aquele.
Confrontar: ó.
Ver também resposta à dúvida: pronome "o" depois de ditongo nasal.

Auxiliares de tradução

Traduzir "a" para: Espanhol Francês Inglês

Palavras vizinhas

Anagramas

Esta palavra no dicionário



Dúvidas linguísticas



Gostaria de saber se escrever ou dizer o termo deve de ser é correcto? Eu penso que não é correcto, uma vez que neste caso deverá dizer-se ou escrever deverá ser... Vejo muitas pessoas a usarem este tipo de linguagem no seu dia-a-dia e penso que isto seja uma espécie de calão, mas já com grande influência no vocabulário dos portugueses em geral.
Na questão que nos coloca, o verbo dever comporta-se como um verbo modal, pois serve para exprimir necessidade ou obrigação, e como verbo semiauxiliar, pois corresponde apenas a alguns dos critérios de auxiliaridade geralmente atribuídos a verbos auxiliares puros como o ser ou o estar (sobre estes critérios, poderá consultar a Gramática da Língua Portuguesa, de Maria Helena Mira Mateus, Ana Maria Brito, Inês Duarte e Isabel Hub Faria, pp. 303-305). Neste contexto, o verbo dever pode ser utilizado com ou sem preposição antes do verbo principal (ex.: ele deve ser rico = ele deve de ser rico). Há ainda autores (como Francisco Fernandes, no Dicionário de Verbos e Regimes, p. 240, ou Evanildo Bechara, na sua Moderna Gramática Portuguesa, p. 232) que consideram existir uma ligeira diferença semântica entre as construções com e sem a preposição, exprimindo as primeiras uma maior precisão (ex.: deve haver muita gente na praia) e as segundas apenas uma probabilidade (ex.: deve de haver muita gente na praia). O uso actual não leva em conta esta distinção, dando preferência à estrutura que prescinde da preposição (dever + infinitivo).



Avó, bisavó e trisavó (para só referir o feminino) constam dos dicionários e empregam-se com frequência. Mas eu já tive de referir antepassados mais recuados e utilizei, respectivamente, tetravó, pentavó, hexavó, heptavó, octavó, nonavó, decavó, undecavó e dodecavó. Estará correcto? E se quisesse continuar, como deveria chamar à 13ª, 14ª e 15ª avó?
Com efeito, na denominação de antepassados directos, nomeadamente dos avós, os dicionários de língua portuguesa consultados não vão além de bisavô, trisavô e tetravô/tataravô. Todavia, com o desenvolvimento dos estudos em genealogia surgiu a necessidade de nomear parentes mais afastados, o que pode levar a uma formação erudita análoga, por exemplo, à dos sólidos geométricos, cuja designação é obtida a partir de prefixos gregos ou latinos que designam os numerais cardinais (ex.: pentaedro, hexaedro, heptaedro, etc.). Assim, para além de avó, bisavó (2ª), trisavó (3ª), tetravó/tataravó (4ª), seria possível obter pentavó (5ª), hexavó (6ª), heptavó (7ª), octavó (8ª), nonavó [ou eneavó] (9ª), decavó (10ª), hendecavó [ou undecavó] (11ª), dodecavó (12), tridecavó (13ª), tetradecavó (14ª), pentadecavó (15ª), hexadecavó (16ª), heptadecavó (17ª), octadecavó (18ª), eneadecavó [ou nonadecavó] (19ª), icosavó (20ª). Hipoteticamente, seria possível formar designações ainda mais recuadas como triacontavó (30ª), pentacontavó (50ª) ou heptacontavó (70ª).