PT
BR
Pesquisar
Definições



Pesquisa nas Definições por:

seção

quadrangular | adj. 2 g.

Que tem secção com quatro ângulos iguais (ex.: pirâmide quadrangular, prisma quadrangular)....


losângico | adj.

Relativo a ou com forma de losango (ex.: secção losângica)....


decúria | n. f.

Secção escolar a cargo de um decurião....


distrito | n. m.

Secção de talho nas salinas....


monitor | n. m.

Aluno encarregado de uma secção de alunos de classe inferior à sua....


perfil | n. m.

Corte ou secção perpendicular de um edifício, para mostrar a disposição interior....


quadrado | adj. | n. m.

Que tem secção com quatro ângulos iguais (ex.: pirâmide quadrada, prisma quadrado)....


repartição | n. f.

Secção de secretaria ou de uma direcção-geral de Secretaria de Estado....


dependência | n. f.

Secção local, regional ou secundária de um estabelecimento ou instituição (ex.: dependência bancária)....


enervação | n. f.

Processo para abater reses pela secção da medula....


esquadrão | n. m.

Secção de um regimento de cavalaria cujo comando compete a um capitão....


filmoteca | n. f.

Secção onde são guardados os microfilmes dos livros ou documentos raros....


gazetilha | n. f.

Secção jocosa ou humorística de um periódico, geralmente em verso....


tetrâmero | adj. | n. m. | n. m. pl.

Terceira secção da ordem dos insectos coleópteros, a que pertencem os géneros que têm quatro artículos nos tarsos....


sura | n. f.

Secção do Alcorão (ex.: o Alcorão tem em 114 suras que se dividem em versículos)....


surata | n. f.

Secção do Alcorão....


usual | adj. 2 g. | n. m. | n. m. pl.

Secção de uma biblioteca onde estão os livros de consulta livre (ex.: os dicionários estão nos usuais)....


passadoria | n. f.

Casa, estabelecimento ou secção em que se passa roupa a ferro....



Dúvidas linguísticas



Como é a grafia correta das palavras horti-fruti e tutti-frutti?
A palavra hortifrúti é um regionalismo brasileiro e corresponde à redução do adjectivo hortifrutigranjeiro, ou seja, “que é relativo a produtos da horta, do pomar ou da granja”. Esta palavra está atestada no Dicionário Houaiss e no Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras e deve ser acentuada graficamente no u, pois termina em i e, se não fosse acentuada, ler-se-ia *hortifrutí (o asterisco indica incorrecção).

Tutti frutti é uma locução italiana (não uma palavra hifenizada) que desempenha função substantiva (ex.: gelado de tutti frutti) ou adjectiva (ex.: sumo tutti frutti); significa literalmente “todos os frutos” e designa uma mistura de vários frutos ou de vários aromas de frutos.




Na frase "...o nariz afilado do Sabino. (...) Fareja, fareja, hesita..." (Miguel Torga - conto "Fronteira") em que Sabino é um homem e não um animal, deve considerar-se que figura de estilo? Não é personificação, será animismo? No mesmo conto encontrei a expressão "em seco e peco". O que quer dizer?
Relativamente à primeira dúvida, se retomarmos o contexto dos extractos que refere do conto “Fronteira” (Miguel Torga, Novos Contos da Montanha, 7ª ed., Coimbra: ed. de autor, s. d., pp. 25-36), verificamos que é o próprio Sabino que fareja. Estamos assim perante uma animalização, isto é, perante a atribuição de um verbo usualmente associado a um sujeito animal (farejar) a uma pessoa (Sabino). Este recurso é muito utilizado por Miguel Torga neste conto para transmitir o instinto de sobrevivência, quase animal, comum às gentes de Fronteira, maioritariamente contrabandistas, como se pode ver por outras instâncias de animalização: “vão deslizando da toca” (op. cit., p. 25), “E aquelas casas na extrema pureza de uma toca humana” (op. cit., p. 29), “a sua ladradela de mastim zeloso” (op. cit., p. 30), “instinto de castro-laboreiro” (op. cit., p. 31), “o seu ouvido de cão da noite” (op. cit., p. 33).

Quanto à segunda dúvida, mais uma vez é preciso retomar o contexto: “Já com Isabel fechada na pobreza da tarimba, esperou ainda o milagre de a sua obstinação acabar em tecidos, em seco e peco contrabando posto a nu” (op. cit. p.35). Trata-se de uma coocorrência privilegiada, resultante de um jogo estilístico fonético (a par do que acontece com velho e relho), que corresponde a uma dupla adjectivação pré-nominal, em que o adjectivo seco e o adjectivo peco qualificam o substantivo contrabando, como se verifica pela seguinte inversão: em contrabando seco e peco posto a nu. O que se pretende dizer é que o contrabando, composto de tecidos, seria murcho e enfezado.


Ver todas