PT
BR
Pesquisar
Definições



Pesquisa nas Definições por:

sacra

Que diz respeito simultaneamente ao sacro e ao cóccix....


sacral | adj. 2 g.

Relativo ao osso sacro....


Que autoriza a conferir ordens sacras (ex.: carta dimissória, documento dimissório)....


Que diz respeito simultaneamente ao sacro e ao ílio ou ao ilíaco....


peridural | adj. 2 g.

Que pertence ao canal sacro situado entre as vértebras e a dura-máter....


Relativo à região lombar, nomeadamente às vértebras lombares, e ao osso sacro....


sacrolombar | adj. 2 g.

Relativo ao osso sacro e à região lombar, nomeadamente às vértebras lombares....


Perífrase que significa a Roma, à Santa Sé (ex.: uma viagem ad limina)....


a sacris | loc.

Em relação às coisas sagradas, geralmente para indicar afastamento (ex.: o padre interdito a sacris não pode exercer nenhuma das funções do seu ministério)....


dimissória | n. f.

Documento pelo qual um prelado autoriza outro a conferir ordens sacras a um diocesano daquele. (Mais usado no plural.)...


diaconato | n. m.

A segunda das ordens sacras conferida ao diácono....


sagrado | adj. | n. m.

Que recebeu a consagração, que se sagrou....


salmo | n. m.

Hino sacro em que se deplora, se enaltece ou se agradece....


tríduo | n. m.

Período de três dias sucessivos....


sacralidade | n. f.

Qualidade do que é sacro ou sagrado....


ordinando | n. m.

O que pretende receber ordens sacras....


promontório | n. m.

Cabo formado por uma elevada montanha....


evangelista | n. m.

Nas igrejas protestantes, indivíduo que, sem ordens sacras, preside e dirige o culto....


mesorrecto | n. m.

Parte do peritoneu entre o sacro e o recto....



Dúvidas linguísticas



Na frase "...o nariz afilado do Sabino. (...) Fareja, fareja, hesita..." (Miguel Torga - conto "Fronteira") em que Sabino é um homem e não um animal, deve considerar-se que figura de estilo? Não é personificação, será animismo? No mesmo conto encontrei a expressão "em seco e peco". O que quer dizer?
Relativamente à primeira dúvida, se retomarmos o contexto dos extractos que refere do conto “Fronteira” (Miguel Torga, Novos Contos da Montanha, 7ª ed., Coimbra: ed. de autor, s. d., pp. 25-36), verificamos que é o próprio Sabino que fareja. Estamos assim perante uma animalização, isto é, perante a atribuição de um verbo usualmente associado a um sujeito animal (farejar) a uma pessoa (Sabino). Este recurso é muito utilizado por Miguel Torga neste conto para transmitir o instinto de sobrevivência, quase animal, comum às gentes de Fronteira, maioritariamente contrabandistas, como se pode ver por outras instâncias de animalização: “vão deslizando da toca” (op. cit., p. 25), “E aquelas casas na extrema pureza de uma toca humana” (op. cit., p. 29), “a sua ladradela de mastim zeloso” (op. cit., p. 30), “instinto de castro-laboreiro” (op. cit., p. 31), “o seu ouvido de cão da noite” (op. cit., p. 33).

Quanto à segunda dúvida, mais uma vez é preciso retomar o contexto: “Já com Isabel fechada na pobreza da tarimba, esperou ainda o milagre de a sua obstinação acabar em tecidos, em seco e peco contrabando posto a nu” (op. cit. p.35). Trata-se de uma coocorrência privilegiada, resultante de um jogo estilístico fonético (a par do que acontece com velho e relho), que corresponde a uma dupla adjectivação pré-nominal, em que o adjectivo seco e o adjectivo peco qualificam o substantivo contrabando, como se verifica pela seguinte inversão: em contrabando seco e peco posto a nu. O que se pretende dizer é que o contrabando, composto de tecidos, seria murcho e enfezado.




Tenho alguma dificuldade em confirmar qual a forma correcta da(s) palavra(s) cofinanciar (cofinanciamento) ou co-financiar (co-financiamento).
Segundo o Acordo Ortográfico de 1945, o prefixo co- obriga em geral à utilização do hífen, independentemente da palavra que precede. Assim, deverá escrever co-financiar e co-financiamento.

Segundo o Acordo Ortográfico de 1990, estas palavras deixam de ter hífen: cofinanciar e cofinanciamento.


Ver todas